sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Santa Catarina realiza 1º Concurso de Paródias sobre a Tuberculose

Do Comitê TB - SC

Durante o 24º Seminário Estadual de avaliação da tuberculose, a Secretaria de Saúde de Santa Catarina em parceria com o Comitê de Tuberculose realizou o 1º Concurso de Paródias sobre a Tuberculose. O evento aconteceu no Marambaia Hotel, no Balneário Camboriú, e contou com a participação de grupos de diversas regiões do estado.

Segundo a coordenadora do Programa Estadual de Controle da Tuberculose, Nardele Juncks, quando incluíram o concurso de paródias na programação do seminário, não se imaginava a repercussão, nem a adesão de vários municípios/grupos na atividade. 

“Decidimos incluir o concurso na programação com o objetivo de trabalhar o tema de forma lúdica, dando a oportunidade para os profissionais da saúde e representantes da sociedade civil, que não realizam ou participam de pesquisas, nem trabalhos operacionais, mostrarem o quanto são criativos, o quanto estão pensando e trabalhando no combate a tuberculose através de um trabalho diferente e bem humorado”, destacou.

Como resultado, seis grupos de diversas regiões do estado se apresentaram, cantando suas paródias sobre tuberculose. “Eles trouxeram instrumentos musicais, bom humor e a alegria para a plateia que se divertiu muito com as composições”, pontuou.

Com o sucesso do evento, Nardele pretende inserir o concurso no calendário da coordenação estadual com o objetivo de incentivar cada vez mais a participação de profissionais e representantes da sociedade civil em atividades educativas, voltadas a prevenção e adesão, diferenciadas, com mensagem simples e clara. 

Veja os vídeos do concurso aqui.


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Países dos Brics propõe acesso universal aos medicamentos contra tuberculose

Ebola e Aids também foram assuntos da reunião que aconteceu nesta sexta-feira (5)

Do R7

Foto: stoptb.org
Facilitar o acesso aos medicamentos de combate à tuberculose aos países do BRICS e em países de baixa renda. Este é principal resultado da 4ª Reunião de Ministros da Saúde do BRICS, que reuniu os representantes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, em Brasília, nos dias 2 a 5 de dezembro. O enfrentamento à má nutrição, as trocas de experiências em relação às ações de prevenção à aids e ebola também foram incluídos entres os compromissos firmados em um comunicado apresentado pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, nesta sexta-feira (5)

De acordo com Chioro, “O documento reflete a preocupação dos cinco países com a saúde global. A possibilidade de garantirmos o fornecimento gratuito de medicamentos de primeira linha contra a tuberculose é um marco, e demonstra nosso compromisso, o fomento ao desenvolvimento tecnológico, e respaldo às iniciativas multilaterais de saúde”

O documento prevê a construção de uma proposta para o acesso universal aos medicamentos de primeira linha para pacientes com tuberculose dos países do BRICS e de baixa renda. A OMS (Organização Mundial de Saúde) estima que 22 países sejam responsáveis por mais de 80% dos casos de tuberculose no mundo e que Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul representam 50% dos casos notificados. A expectativa é que seja atingida a meta de 90% dos grupos vulneráveis, e que 90% dos pacientes sejam diagnosticados. Como resultado, 90% das pessoas se tratem com sucesso.

Foto: planalto.gov.br
O acesso aos medicamentos pode contribuir, significativamente, para o alcance das metas globais pós-2015 e para a redução na incidência
dos casos de tuberculose multirresistente. Com o acesso universal aos medicamentos, o controle e a futura eliminação da tuberculose como um problema de saúde pública, ficam cada vez mais próximos de serem alcançados. O plano para universalização dos medicamentos de tuberculose será finalizado em março de 2015, quando especialistas do BRICS se encontrarão para definir as estratégias e metas que deverão ser adotadas pelos países.

Na área de HIV e aids, o debate foi em torno da adesão às metas voltadas para melhorar a qualidade de vida das pessoas com a doença. Os países pretendem cumprir a meta estabelecida pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) e pela Organização Mundial da Saúde, conhecida como 90-90-90, até 2020. A meta é testar 90% da população e, das pessoas que apresentarem resultado positivo, tratar 90%. Como resultado, conseguir que 90% das pessoas tratadas apresentem carga viral indetectável.

Os representantes expressaram preocupação sobre a epidemia do ebola e aprovaram a criação de um grupo de trabalho para desenvolver um plano conjunto de enfrentamento da doença. Na última quarta-feira (3), o governo brasileiro já havia anunciado a doação de R$ 25 milhões a agências das Nações Unidas, sendo US$ 5 milhões exclusivamente para a OMS realizar o combate ao vírus do Ebola e apoio à população na Guiné-Conacri, na Libéria e em Serra Leoa, países da África Ocidental mais afetados pela doença.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Parceria Brasileira contra a Tuberculose elege novo secretário executivo durante a comemoração dos 10 anos de existência


Por Observatório Tuberculose Brasil


Nos dias 27 e 28 de novembro, na sede da Fiocruz Brasília, o coletivo da Parceria Brasileira contra a Tuberculose (Stop TB Brasil) se reuniu em uma assembleia comemorativa aos 10 anos da sua criação. 

Durante o evento, Carlos Basilia, coordenador de advocacy, comunicação e Mobilização Social do Observatório Tuberculose Brasil da ENSP, e membro do segmento ativismo da Parceria, foi eleito pelo como novo secretário executivo da Stop TB Brasil para o biênio 2015/2016.

Criada em 2004, a Parceria Brasileira contra a Tuberculose conta atualmente com mais de cem entidades afiliadas, é uma instância colegiada, de caráter propositivo, consultivo e de mobilização social, voltada para promover a prevenção e o controle da tuberculose e da coinfecção TB/HIV por meio de esforços conjuntos e articulados com o PNCT/SVS/MS.

“Na condição de membro fundador e primeiro secretário executivo da parceria, sinto com otimismo que entramos em uma nova e promissora fase da mobilização desse importante conjunto de atores estratégicos para o enfrentamento da tuberculose no Brasil. Enquanto novo secretário executivo, quero renovar e estreitar as relações com a SVS/MS, ampliar o diálogo, e poder contar com o apoio da SVS na reformulação, estruturação e funcionamento da Parceria, e mais objetivamente na elaboração e execução de um plano de trabalho para o próximo biênio 2015/2016, em sintonia com a estratégia global de tuberculose pós 2015”, disse Basília.

A vice-coordenação ficou com a ONG Gestos, representada por Jair Brandão Filho, que prestou contas do exercício anterior no qual foi o secretário executivo.

No âmbito da ENSP/Fiocruz, o Observatório irá buscar uma maior articulação da Parceria com o Centro de Referência Prof. Hélio Fraga (CRPHF) e o Programa Fio_TB, em processo de implementação pela presidência da Fiocruz.

O evento contou com a participação do secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, do coordenador do Programa Nacional de Tuberculose (PNCT), Draurio Barreira e do representante internacional do Stop TB Partnership, Joel Keravec.

Em sua fala, na conferência de abertura, Jarbas Barbosa destacou a importância da parceria como instância nacional de articulação e mobilização entre o governo e a sociedade civil, fortalecendo o controle social da tuberculose na agenda do SUS. Para ele, as articulações intersetoriais são fundamentais para garantir os direitos das pessoas com tuberculose e contribuir para a adesão ao tratamento a partir do recebimento de benefícios sociais e do acesso a programas já existentes, diminuindo a taxa de abandono e consequentemente a incidência de manifestações resistentes.

O coordenador do PNCT, Draurio Barreira, falou do protagonismo internacional do Brasil, na revisão da Estratégia Global e metas para a prevenção, atenção e controle da tuberculose pós-2015. “Devido à experiência em cobertura universal por meio do Sistema Único de Saúde e às propostas de proteção social para o enfrentamento da tuberculose, o Brasil foi protagonista na construção desta nova estratégia, sendo escolhido para apresentá-la na Assembleia Mundial de Saúde aprovada em maio de 2014. Baseada em três pilares, a nova estratégia amplia as ações de controle da doença, valorizando as ações de inovação e a incorporação de novas tecnologias, incluindo ações de proteção social aos pacientes, recomendando o acesso universal à saúde e estabelecendo metas arrojadas a serem atingidas. Isto significa que o mundo acordou uma estratégia para acabar com a tuberculose como uma pandemia - reduzindo a incidência para menos de 10 casos por 100.000 habitantes e a mortalidade em 95% até 2035”, concluiu Barreira.

Segundo Joel Keravec (Stop TB Partnership), o próximo plano de cinco anos da Stop TB Partnership (2016-2020) deve definir a direção para se alcançar as metas propostas nesta estratégia. Juntas, a OMS e a Stop TB Partnership irão trabalhar no desenvolvimento do plano de investimento global, e, quando necessário, buscar novos parceiros, dentro e fora do setor da saúde, a fim de implementar a nova estratégia.

A assembleia também aprovou novos membros e a incorporação do segmento da Rede dos Comitês da TB, junto ao grupo de trabalho da secretaria executiva para elaborar uma nova estruturação e organização da parceria com vistas aos novos desafios colocados pela nova Estratégia Global TB (OMS).

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Ministério da Saúde e da Assistência Social assinam documento para trabalho conjunto no controle da tuberculose


Durante o Seminário de Tuberculose e Populações mais Vulneráveis, realizado no mês de setembro, em Brasilia, foi assinada uma instrução operacional conjunta do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) e Ministério da Saúde (MS) que estabelece orientações gerais sobre tuberculose e as formas de contribuição dos serviços socioassistenciais para o controle da doença no país.

A tuberculose é uma das doenças que mais emblematicamente caracteriza a determinação social no processo saúde e doença e demonstra relação direta com a pobreza e a exclusão social. No Brasil, a doença afeta, principalmente, as periferias urbanas – as favelas e as áreas degradadas dos grandes centros – e geralmente está associada à fome, às más condições de moradia e saneamento básico, ao uso e abuso de álcool, tabaco, e outras drogas e às doenças imunossupressoras, como a aids.

Tendo em vista o perfil da maioria dos pacientes com tuberculose, a rede socioassistencial tem importante papel na continuidade do tratamento da tuberculose ao garantir as seguranças afiançadas pela Política Nacional de Assistência Social. 

Por esta razão, o instrutivo operacional tem como objetivo orientar os serviços socioassistenciais, possibilitando a proteção social do paciente com tuberculose, para ajuda-lo a superar barreiras impostas pelo preconceito e pelo estigma, contribuindo de forma efetiva para que seus direitos socioassistenciais sejam exercidos.

O documento traz, oficialmente, diretrizes para atuação conjunta entre a rede socioassistencial, a rede de saúde e da gestão local, bem como orientações para a atuação dos profissionais da rede socioassistencial junto às pessoas com tuberculose.

Cabe destacar que o instrutivo também reflete a necessidade de se atuar de forma mais efetiva junto aos parceiros na luta contra esta doença, cujas ações de controle vão muito além do setor saúde.

Leia o documento na integra aqui.

Cruzamento Sinan-TB X CadÚnico

A partir do cruzamento da base de dados do SINAN-TB (Sistema de Informações de Agravos de Notificação) com o cadastro único de programas sociais d governo federal (CadÚnico), o Programa nacional de controle da Tuberculose buscou conhecer o perfil socioeconômico das pessoas com tuberculose para evidenciar a determinação social da doença, e, principalmente, entender o impacto dos programas de transferências de renda junto às famílias dos pacientes.

Dos 73.833 novos casos de tuberculose diagnosticados em 2011, aproximadamente 25% (18.509) estavam registrados no CadÚnico, e 14% (10.278) eram beneficiários do Programa Bolsa Família. Esses pacientes pertenciam a famílias com renda abaixo de um salário mínimo brasileiro por pessoa ou até três vezes o salário mínimo por família.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Frente Parlamentar Global de Tuberculose assina a Declaração de Barcelona durante a Conferência Mundial da UNION


No dia 29 de outubro, durante Conferencia Mundial de Tuberculose da UNION, parlamentares dos cinco continentes assinaram a Declaração de Barcelona de Tuberculose (TB), que tem como objetivo trabalhar por uma ação contínua e de advocacy por mais investimentos na luta contra a TB. 

A declaração traz uma visão mais clara do papel a ser exercido pelos parlamentares na luta contra esta que ainda é uma epidemia global. Para fazer cumprir a declaração e a execução das ações foi criada uma Frente Parlamentar Global de Tuberculose.

A Declaração foi assinada por representantes do Brasil, Canadá, França, Quênia, Índia, África do Sul, Tanzânia, Reino Unido e Estados Unidos. A tradução do texto completo pode ser acessada aqui. O original, em inglês, está disponível no seguinte endereço: http://www.appg-tb.org.uk/news/news-in-14/208-barcelona-declaration.html .

“Em meio às divisões geográficas e políticas, viemos, como representantes eleitos, planejar a melhor forma de liderança e influência para exigir medidas mais eficazes para vencer a epidemia de TB", afirmou Nick Herbert MP, co-presidente da Frente Parlamentar de luta contra a tuberculose do Reino Unido.

"Por meio desta Declaração nos comprometemos a trabalhar juntos em um esforço global para priorizar a tuberculose nas agendas políticas de todos os países que já desempenham algum papel nos seus respectivos parlamentos", reiterou.

Apesar de tratável e curável, a tuberculose ainda mata 1,5 milhões de pessoas a cada ano. Além disso,  o número de casos de tuberculose drogarresistente tem crescido em todo o mundo. Segundo o ultimo Relatório da Organização Mundial de Saúde, milhares de pessoas que têm tuberculose resistente a medicamentos não estão sendo tratadas devidamente, contribuindo ainda mais para a disseminação de cepas cada vez mais resistentes.

A Declaração traz, entre outras coisas, a importância de se adotar um novo modelo de pesquisa e desenvolvimento com vistas a melhorar a sustentabilidade global da oferta de medicamentos de tuberculose, bem como da produção de novos medicamentos, diagnósticos e vacinas.  Além disso, a Frente Global também buscará garantir que os novos tratamentos sejam adequados e acessíveis para todos os que deles necessitam.

"À medida que novas ameaças como o Ebola demandam a atenção de todo o mundo, precisamos lembrar aos líderes políticos que a tuberculose ainda mata 1,5 milhões de pessoas todos os anos, o que significa que a cada dia ela mata tantas pessoas como o Ebola matou no total. O mundo não pode se dar ao luxo de fazer escolhas entre enfrentar uma ou outra doença – é preciso lutar em todas as frentes para vencer a todas as epidemias”, acrescentou Herbert.

Frente Parlamentar de luta contra a tuberculose no Brasil

O Brasil, que possui uma das frentes parlamentares mais ativas, tem como representante na Frente Global, o deputado Antônio Brito (PTB). Devido às eleições, o presidente da Frente Parlamentar de luta contra a tuberculose no Brasil, não pode participar deste importante momento. Ainda assim, o deputado elogiou a iniciativa e declarou total apoio à criação desta Frente Global, assinando a Declaração de Barcelona. 

“Lamento profundamente não poder estar presente neste debate do mais alto nível, que visa a união de esforços globais para combater a tuberculose, que, sem sombras de dúvidas, é prioridade para o Congresso brasileiro, e para mim em especial”, afirmou o deputado  por meio de uma carta enviada à Herbert.

“Embora não esteja presente, é extremamente importante que esta reunião tenha continuidade, pois tenho certeza que as propostas ai discutidas produzirão ferramentas fundamentais para a defesa no combate desta doença nos Parlamentos de todas as nações. Com um acordo comum entre parlamentares de diversos países, daremos maior visibilidade à tuberculose, potencializando as ações legislativas em favor dos portadores desta enfermidade”, destacou.

Com a reeleição, o deputado Antônio Brito se comprometeu a reconduzir a Frente Parlamentar de luta contra a Tuberculose e dar continuidade aos trabalhos desenvolvidos na presente legislatura.


*Com informações do APPG on Global TB



sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Brasil propõe ação conjunta ao BRICS para medicamentos contra TB

Em consonância com os novos desafios globais para o controle da tuberculose, durante o  encontro de representantes de Ministérios da Saúde dos BRICS na 45º Conferencia Mundial de Saúde Pulmonar da UNION, em Barcelona, o Brasil propôs aos países dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) a compra conjunta de matéria-prima para a produção de medicamentos de primeira linha para o controle da tuberculose nos países de média e baixa renda. Uma ação como essa poderá garantir o acesso universal ao tratamento gratuito para os pacientes desses países, contribuindo sobremaneira para o controle da tuberculose no mundo.
A proposta compartilhada foi bem recebida, ficando cada país responsável por promover uma discussão interna para a construção de uma proposta oficial a ser discutida na reunião de ministros que acontecerá, em dezembro, no Brasil.
Nesta mesma semana Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou o Report da tuberculose 2014. O documento traz os principais dados sobre a situação epidemiológica da tuberculose no mundo e os avanços e desafios referentes ao atingimento das metas globais, tuberculose drogarresistente, coinfecção TB-HIV, financiamento e pesquisa e desenvolvimento.
Segundo o relatório, houve um aumento global do número de casos estimados, que passou de 8.6 milhões em 2012 para 9 milhões de casos novos em 2013. O número de óbitos foi estimado em 1.5 milhões em 2013, sendo 360 mil HIV positivos. Isto também se deve à melhoria na qualidade dos dados informados pelos países. Contudo, a lacuna entre os casos estimados e reportados persiste em torno de 3 milhões de casos.
O Brasil apresentou uma taxa de detecção de 82% e reportou 70.336 casos novos em 2013, mantendo a 16ª posição entre os 22 países de alta carga. Quanto ao coeficiente de incidência o país também manteve a 111ª posição, quando considerados todos os países do mundo, com um coeficiente de incidência de 35,7 casos por 100 mil habitantes. O coeficiente de mortalidade no país foi de 2,2 óbitos por 100 mil habitantes em 2013.
Em relação às metas globais estabelecidas para 2015, o objetivo do milênio de redução da incidência da doença foi atingido globalmente. A região das Américas e do Pacifico Ocidental atingiram as metas globais de redução da incidência, prevalência e mortalidade. Entre os 22 países de alta carga, nove atingiram os objetivos de redução da prevalência e mortalidade pela metade quando comparado a 1990, entre eles o Brasil. Além disso, o país atingiu todas as metas globais de redução da doença antes de 2015.
O Brasil, com 670 casos novos de tuberculose multidrogarresistente (TB-MDR) em 2013, não faz parte dos 27 países de alta carga de TB-MDR, mas essa continua sendo uma das grandes preocupações globais . O Report deste ano traz suplemento especial de vigilância e resposta à tuberculose drogarresistente, citando o Brasil quanto à implantação da vigilância sentinela da resistência primaria aos medicamentos.
Quanto ao financiamento, estima-se a necessidade de 8 bilhões de dólares anuais para a prevenção, diagnóstico e tratamento, e adicional de 2 bilhões só para pesquisa e desenvolvimento. Contudo, dos 8 bilhões estimados, os países reportaram terem investido 6.3 bilhões de dólares na luta contra a tuberculose.
Os BRICS, bloco do qual o Brasil faz parte e que são responsáveis por 50% dos casos de tuberculose do mundo, conseguem mobilizar os recursos necessários por fontes domésticas.  Os outros 17 países de alta carga apresentam aproximadamente 50% de financiamento internacional, sendo os principais doadores: o Fundo Global e o governo americano.
A nova estratégia pós-2015 traz novos desafios e metas mais ousadas como: redução em 95% dos óbitos e 90% da incidência até 2030, além de nenhuma família sofrendo os custos catastróficos relacionados à doença.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Ministério da Saúde publica resultado final do edital para seleção de projetos de base comunitária

Finalizado o período para recurso, o resultado final do Edital nº 1, de 14 de fevereiro de 2014 para seleção de projetos de base comunitária a serem desenvolvidos por instituições privadas, sem fins lucrativos, foi  publicado no Diário Oficial da União nº 198, de 14 de outubro de 2014, págs. 51/52.

Acesse o DOU aqui.




quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Cinema é antídoto contra a tuberculose

Por  Sol Mendonça | Redação Viva Favela | RJ


Cinema é entretenimento, mas seu conteúdo também pode ser um meio de ajudar as pessoas a romper com o estigma, o preconceito, o medo e a falta de informação em questões urgentes de saúde pública, como as epidemias. 

Apostando nesta ideia, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) lançou o segundo edital de vídeos sobre saúde e selecionou o documentário “Doenças Negligenciadas – Tuberculose Tem Cura”,  produzido pela Ventura Filmes e codirigido com a Contrafluxo Digital, com previsão de lançamento para março de 2015.

Filmado em setembro na favela da Rocinha, Rio de Janeiro, em Recife, Manaus e numa região indígena, na Amazônia, o documentário aborda a tuberculose, uma doença com tratamento e cura, mas que infelizmente ainda mata muitas pessoas, inclusive crianças, no Brasil. Para os realizadores e a patrocinadora do filme, doenças que atingem principalmente os países e as populações mais pobres precisam estar na pauta do dia. Por isso, este foi o tema escolhido entre os 40 outros inscritos. 

Essa é a segunda vez que a Fiocruz investe em vídeos independentes que abordam questões relevantes para a saúde pública. O valor do patrocínio é de mais de R$170 mil.

“A Fiocruz sempre teve foco na comunicação”, diz o professor de Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde (ENSP-Fiocruz), José Wellington Araújo, que também faz parte do Conselho Curador do selo Fiocruz Video, responsável pela área de audiovisual da empresa. “Na década de 1910, os pesquisadores da Fiocruz já viajavam, fotografando e documentando o interior do Brasil. Eles estavam fazendo comunicação”, explica. “E o que isso tem de importante? A saúde não é só distribuição de remédios, a informação sobre prevenção e tratamento é o verdadeiro antídoto”. 

O editor do selo Fiocruz Video, Homero Teixeira de Carvalho, conta que a instituição tem um acervo de produções próprias com 8 mil filmes. Este material está disponível para cópia gratuita a 300 usuários cadastrados em todo o Brasil, como secretarias de saúde, escolas e universidades públicas e associações de moradores. Além disso, qualquer pessoa pode escolher um vídeo deste catálogo e comprar em formato DVD (com capa e fotos) a preço de custo (R$ 10,00 em média). É uma fonte pública de pesquisa e está disponível no site da Fiocruz. 

Ao contrário do primeiro edital para a produção de novos vídeos, em que os temas eram livres, desta vez alguns assuntos foram sugeridos pelos organizadores. O professor José Wellington defendeu as doenças negligenciadas, ou seja, doenças que afetam as áreas e as populações pobres: “Há uma negligência de políticas públicas em saneamento básico, habitação e manejo ambiental nas regiões pobres. As doenças são negligenciadas pelos órgãos públicos”, alerta. 

No filme, o agente conduz à cura

A cineasta Ieda Rozenfeld sempre se interessou em fazer filmes que tratassem de temas sociais. Fez curso de cinema etnográfico na Fiocruz e, em seguida, foi ao Acre filmar o documentário “Doenças Pós-Enchentes” em uma área de extrema pobreza. A experiência mexeu com ela. “Vi que muitos problemas de saúde pública ainda acontecem por falta de informação”, diz ela, que também perdeu um irmão vítima de tuberculose. “As pessoas vivem em condições precárias e isto é agravado porque elas não sabem o perigo que estão correndo”, desabafa.  

Quando soube do edital, Ieda procurou uma produtora que tivesse experiência com cinema em favelas e encontrou na Ventura Filmes a parceria perfeita. André Di Kabulla, sócio e diretor, diz que sempre se incomodou com a falta de interesse dos cineastas pelo assunto: “Desde a faculdade, meus sócios e eu percebemos que todo mundo era mais voltado para a Zona Sul do Rio e para o cinema francês. Queríamos falar do outro lado da cidade. A Ventura é, por essência, uma produtora de periferia, que faz filmes sobre cultura popular, como as rodas de samba do subúrbio. O projeto da Ieda interessou porque falava dos moradores de rua, da população carcerária, dos indígenas e dos moradores de favelas”, conta ele.

A primeira parada da equipe foi a favela da Rocinha, São Conrado, na Zona Sul do Rio, local conhecido por seus becos estreitos e aglomerados habitacionais. O ambiente é perfeito para a proliferação de doenças transmitidas pelo ar, caso da tuberculose. Em seguida, eles filmaram com a população carcerária e moradores de rua de Recife. As últimas filmagens aconteceram no Amazonas, partindo de Manaus, parando em Nova Olinda do Norte e, por fim, em Kuata Laranjal, na região da etnia indígena Munduruku. “Fomos a primeira equipe de filmagem a entrar lá”, orgulha-se.

Na Rocinha, a equipe conheceu Rita Smith, ex-paciente de tuberculose, moradora da Rua 4 (famosa por concentrar casos de tuberculose) e ex-agente comunitária de saúde. Rita é conhecida por onde passa. No documentário, virou protagonista.  André explica que o que seria um filme de uma instituição de saúde, com os especialistas à frente e ilustrado com imagens, acabou se tornando um documentário onde o agente de saúde é o protagonista.

No filme, é Rita quem conduz os realizadores, o que o torna essencialmente humano. “Ao descobri-la, descobrimos a essência do filme. O que fizemos no resto do Brasil foi cópia do que foi feito na Rocinha”. Já a diretora diz que Rita é exemplo de alguém que venceu a tuberculose: “A história dela merece ser conhecida. Ela é um modelo para quem acredita que está no fundo do poço”. Rita não só venceu, como ajudou outros na comunidade. Em 11 anos atuando como agente de saúde na Rocinha, ela se orgulha de nunca ter perdido um paciente durante o tratamento. Todos se curaram. Ela tem motivos para comemorar.

O abandono do tratamento é uma das questões importantes que o filme aborda. No caso da tuberculose, esta ainda é considerada uma questão grave. Mas quando o paciente interrompe o tratamento, de quem é a culpa? Rita pergunta: “Ele abandona ou é abandonado? Longe de mim querer apontar inocente e culpado, a gente tem que procurar a solução.” O professor José Wellington parece concordar. “A Organização Mundial da Saúde admite 5% de abandono. Acima de 10%, considera-se que é o sistema que está abandonando o paciente. O melhor agente de saúde é o paciente que se curou”, conclui.

Enquanto o documentário não é lançado, é possível acompanhar a produção com fotos e material de pesquisa nas redes sociais. Acesse a fanpage “Documentário Doenças negligenciadas: Tuberculose tem cura” no Facebook e veja fotos das filmagens. 



terça-feira, 7 de outubro de 2014

Fiocruz obtém registro para produzir iso+rifam, medicamento contra tuberculose



O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) obteve da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o registro para a produção do isoniazida+rifampicina (150 mg+ 300 mg), um importante medicamento usado no tratamento de pacientes com tuberculose. O deferimento foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) na última segunda-feira (29/9), por meio da Resolução nº 3.810, publicada na semana passada (26/9).

O iso+rifam, como é popularmente chamado, passa a ser o terceiro medicamento a compor o portfólio de Farmanguinhos contra essa doença negligenciada. A mesma Resolução confere também à unidade o direito de produzir o anti-helmíntico do trato gastrointestinal praziquantel 600 mg nas instalações do Complexo Tecnológico de Medicamentos (CTM). No caso deste medicamento especificamente, foi alterado somente o local de fabricação, já que era produzido nas instalações na fábrica do campus de Manguinhos.

Além do composto iso+rifam, Farmanguinhos tem uma linha de medicamentos especificamente voltada para o tratamento da tuberculose. O Instituto produz etionamida, isoniazida. A unidade vai produzir ainda o 4 em 1, tuberculostático que reúne quatro fármacos em um único comprimido: isoniazida, rifampicina, etambutol e pirazinamida. Essa formulação em dose fixa combinada é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a forma mais eficaz de combate à tuberculose. A unidade aguarda o registro concedido pela Anvisa para iniciar a produção.

Mais de 70 mil casos da doença em 2013

A produção do 4 em 1 será possível graças a uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP) entre Farmanguinhos e o laboratório indiano Lupin. Além de ampliar a adesão ao tratamento, a redução no número de comprimidos deve diminuir as taxas de abandono do tratamento, um dos principais problemas na terapia contra a tuberculose. Outro benefício é que a nacionalização da tecnologia vai gerar uma economia aos cofres públicos. De acordo com o Ministério da Saúde, anualmente, o Brasil gasta cerca de R$ 11 milhões em ações contra a tuberculose.

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde no Dia de Luta contra a Tuberculose (24/3) mostram que o Brasil registrou 71.123 novos casos da doença em 2013. Já os dados sobre o número de mortes por tuberculose divulgados pelo Ministério são referentes a 2012 e indicam um total de 4.406 óbitos. A população mais vulnerável se concentra em moradores de rua, cujo risco de infecção é 44 vezes maior do que na população geral. Em seguida, estão as pessoas com HIV/Aids (risco 35 vezes maior); população carcerária (risco 28 vezes maior) e indígenas (risco três vezes maior).




segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Resultado do Processo de Seleção de Propostas de Pesquisa Envolvendo o Teste Rápido Molecular para Tuberculose (TRM-TB) no SUS


Considerando a implantação do Teste Rápido Molecular (TRM-TB) e a importância da expansão da Rede de Teste Rápido para Tuberculose (RTR-TB) no Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT/SVS/MS) promoveu processo seletivo de propostas de pesquisa envolvendo o TRM-TB para apoiar estudos científicos associados à implantação do teste na rotina assistencial. 

O objetivo é ampliar o conhecimento científico sobre o desempenho do TRM-TB nos diversos aspectos relacionados ao controle da tuberculose no Brasil, sua contribuição para o SUS e outros contextos que possam ser correlacionados.

Foram recebidas 65 propostas, oriundas de todas as regiões do Brasil, sendo 33 aprovadas que receberão apoio do PNCT  por meio da disponibilização de insumos e/ou equipamentos. Todos os proponentes receberão mensagem por e-mail formalizando o resultado da submissão. Entre as propostas aprovadas (33) algumas apresentaram ressalvas que serão apontadas para ajustes, conforme orientações do PNCT/MS.

Para esclarecimentos e demais informações envie e-mail para tuberculose@saude.gov.br

Para acessar a lista de propostas aprovadas clique aqui.



segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Estância Velha - RS comemora o Dia Estadual de Conscientização e Mobilização na luta contra a tuberculose

Da Prefeitura de Estância Velha

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) de Estância Velha, por meio do Programa Municipal da Tuberculose/Vigilância em Saúde, inicia, a partir desta segunda-feira (22) até sexta-feira (26), uma série de ações voltadas à prevenção da tuberculose. A Semsa realizará capacitação com os profissionais de saúde e palestras em escolas e empresas do município. Também estão previstas atividades de conscientização sobre a doença nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

A secretária municipal de Saúde, Angela Marmitt, destaca a importância da obtenção de informações e do diagnóstico sobre a doença e da adesão do paciente ao tratamento. “É importante que as pessoas busquem saber sobre essa doença e que o diagnóstico seja feito cedo, para que o tratamento seja eficaz e evite sequelas, além de evitar a transmissão de pessoa a pessoa. Mas, para isso, é muito importante também que, uma vez diagnosticado com tuberculose, o paciente siga corretamente o tratamento”, explica.

O dia 22 de setembro foi instituído pela Lei 14.425/2014 como o Dia Estadual de Conscientização e Mobilização na Luta contra a Tuberculose.

Sobre a doença

A tuberculose continua sendo um grave problema de saúde em nível mundial. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2012, 8,6 milhões de pessoas desenvolveram tuberculose e 1,3 milhões morreram em decorrência da doença.

A tuberculose atinge pessoas de todas as idades mas, principalmente, a faixa etária entre 15 e 54 anos. É transmitida de pessoa a pessoa, em especial, através do ar.

A fala, o espirro e, principalmente, a tosse de alguém contagiado pela tuberculose lançam no ar gotículas contendo o Bacilo de Koch, agente causador da doença. O pulmão é o principal órgão atingido (80% dos casos), mas outros órgãos também podem ser afetados.

Os principais sintomas são febre baixa vespertina (à tarde), suor noturno, falta de apetite e emagrecimento, dor torácica, tosse produtiva (com secreção). É importante que as pessoas que apresentem esses sintomas procurem um médico. Aquelas que convivem com o doente, quando diagnosticada a doença, também devem procurar orientação médica.


terça-feira, 16 de setembro de 2014

“Fala, Comunidade!” de 2014 discute Aids e tuberculose


O “Fala, Comunidade!” 2014 começou nesta terça-feira, 16 e segue até quarta-feira, 17, no Hotel Novo Mundo, na Praia do Flamengo - Rio de Janeiro. 

O evento tem como objetivo promover o intercâmbio de estratégias, tecnologias e práticas entre as redes comunitárias de prevenção e promoção da saúde no Rio de Janeiro e parceiros convidados. 

Neste ano o tema “Aids e Tuberculose: nossas estratégias, nossos desafios” relacionará e aprofundará aspectos relativos à epidemia de Aids e Tuberculose em vários contextos, como deficiência e sexualidade, moradia e vulnerabilidade e juventude. 

Para isso, durante os dois dias de “Fala, Comunidade!”  serão abordados diversos temas, desde prevenção e políticas sociais a deficiências e mobilização comunitária.

Outro objetivo do projeto é planejar de maneira coletiva uma agenda de mobilização comunitária, direcionando-a aos desafios atuais estabelecidos por DST/Aids e tuberculose.

O “Fala, Comunidade!” é uma realização do Centro de Promoção da Saúde (CEDAPS), em parceria com a Rede de Comunidades Saudáveis, Fórum ONGs Tuberculose RJ e Observatório Tuberculose Brasil/ENSP, e apoio das Secretarias de Saúde estadual e municipal do Rio de Janeiro.

Veja a programação completa:




16 de SETEMBRO – Tecnologias e Práticas de Prevenção em Territórios Populares

**9 horas: Café

9:15 Abertura e Momento Cultural

9:30 Apresentação Geral – Fala, Comunidade!

10 h àIdeias d´Agente: mapa falante de estratégias comunitárias

**13 horas – Almoço

14h Mesa 1: Prevenção: velhos e novos desafios

Analice Oliveira - Núcleo de Atenção Básica- Área de Prevenção CRT/ SP

Alessandra Ramos - Grupo TransRevolução

Benilda Brito – N’Zinga Coletivo de Mulheres Negras de Belo Horizonte

Juan Carlos Raxach – ABIA Ass. Brasileira Interdisciplinar de Aids

15:30 Mesa 2: Sexualidade e Deficiência

Sergio Meresman - Instituto Iberoamericano de Desenvolvimento Inclusivo- Uruguai

Breno Viola - Movimento Down

RAP da Saúde - CMS Prof. Masao Goto- Jd Sulacap

16:30 Mesa 3: Nossas Parcerias e suas perspectivas

Damiana Bernardo de O. Neto -Depto Nacional de DST/Aids – Ministério da Saúde

Ana Alice Pereira – Programa Estadual de Tuberculose/RJ

Claudio Nascimento – SuperDir/ SEASDH/RJ

Representante da Gerência Estadual de DST/Aids/RJ


17 de SETEMBRO – Painéis em Construção Compartilhada

**9 horas: Café

9:15 Painel 1 à Mobilização Comunitária frente a Tuberculose e DST/AIDS.

Resgatar o processo histórico do que fizemos e onde chegamos.

Convidado: Carlos Basília - Observatório Tuberculose Brasil /ENSP


  • Apresentar as atividades previstas no projeto. CEDAPS
  • Agenda compartilhada com parceiros (governamentais e da sociedade civil).CEDAPS


Oficinas temáticas

**13 horas – Almoço

14h Painel 2 à Aids e Deficiência

Resgatar o processo histórico do que fizemos e onde chegamos.

Convidados: Sergio Meresman–IIDI- Uruguai; Cida Lemos-Mov. Nacional de Cidadãs Positivas; Neide Aparecida F. de Souza - Coord. Deficiência de Mesquita


  • Apresentar as atividades previstas no projeto . CEDAPS
  • Agenda compartilhada com parceiros (governamentais e da sociedade civil).CEDAPS e IIDI

Oficinas temáticas

16:30 Painel 3 à Apresentação do mapa de estratégias comunitárias

17:h Encerramento: Esquete Rap da Saúde- Pólo Jacarezinho e Comissão de Cultura da RCS


segunda-feira, 15 de setembro de 2014

SVS divulga nota sobre a falta de PPD no mundo

Por: Mirella Melo e Tathiana Teles

Diante da dificuldade do Ministério da Saúde em adquirir o Derivado Protéico Purificado – PPD RT23 2UT/0,1mL frasco ampola de 1,5mL, sem previsão para o reabastecimento da rede, foi emitida no dia 10 de setembro uma nota informativa nº 8, de 2014, pela CGPNCT/DEVEP/SVS/MS, com o objetivo de fazer recomendações para o controle de contatos e tratamento da infecção latente da tuberculose na indisponibilidade transitória do Derivado Protéico Purificado – PPD. É importante esclarecer que, apesar deste ser um insumo utilizado para o diagnóstico de Infecção Latente da Tuberculose – ILTB, como previsto no Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, o tratamento deste tipo de infecção não é urgente e pode ser adiado a depender da avaliação de cada caso. Na indisponibilidade do PPD, a Coordenação Geral do Programa Nacional de Controle da Tuberculose faz algumas recomendações para que os serviços de saúde possam dar continuidade às ações de controle de contatos e tratamento da ILTB, sem mais prejuízos a atenção à saúde dos portadores de tuberculose (vide Nota Informativa Nº 08, 2014).


Para ler a nota na íntegra clique aqui  

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

FBB recebe Moção de Congratulações e Aplausos da ALERJ pela atuação eficiente no enfrentamento da tuberculose

Por bandeirantes

Nesta quinta-feira, 28 de agosto, a Federação de Bandeirantes do Brasil recebeu da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro a Moção de Congratulações e Aplausos pelos relevantes trabalhos sociais desenvolvidos no enfrentamento da tuberculose.

A entrega da Moção foi realizada na Escola do Legislativo, durante a Audiência Pública “Encontro com a Sociedade Civil” promovida pela Frente Parlamentar Estadual de Tuberculose e Aids da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro – ALERJ em parceria com o Fórum ONGs TB RJ, que marcou o encerramento das atividades alusivas ao Dia Estadual de Enfrentamento da Tuberculose (06/08).

A instituição foi representada no evento por Lêda Lúcia Góes Corrêa, membro do Conselho Diretor Nacional, Maria Lucia Tavares Ramos, Diretora Executiva Nacional, Luiza Calmon, Assessora Jurídica, Cazu Barroz, Coordenador da Comissão Nacional do Programa Saúde do Jovem, e Gleusa Santos, Assessora de Comunicação.

Para a FBB a homenagem é importante porque valoriza, incentiva e reconhece todo o esforço institucional empreendido na execução dos projetos na área de saúde e o trabalho permanente da Comissão Nacional do Programa Saúde do Jovem junto à sociedade civil e governo.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Determinação social em saúde é tema de workshop no RJ



No dia 13 de agosto,  cerca de 150 cariocas tiveram a oportunidade de participar do Workshop “Determinantes Sociais da Saúde e da Tuberculose: contexto e importância dos incentivos e benefícios sociais” promovido pela Gerência de Pneumologia Sanitária da SES/RJ.

O evento contou com a participação de representantes da academia, do Programa Nacional de Controle da Tuberculose, da Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, INSS e Secretaria Estadual de Transportes e Comitê Metropolitano de São Luis - MA.

Os convidados trouxeram à tona questões sobre determinação social dentro do contexto da tuberculose para que os profissionais que atuam nos Programas de Controle da Tuberculose dos municípios do  Rio de Janeiro pudessem refletir sobre o assunto e apontar estratégias intersetoriais para adesão ao tratamento.




terça-feira, 12 de agosto de 2014

Programa Nacional de Controle da Tuberculose divulga Processo de Seleção de Pesquisa para o TRM-TB

A “Rede de Teste Rápido para Tuberculose no SUS” (RTR-TB) encontra-se em sua etapa final de implantação. Conforme planejado, nessa etapa o Programa Nacional estaria disponibilizando alguns equipamentos (GeneXpert® com 4 módulos) e/ou cartuchos (Xpert MTB/Rif®) em apoio a iniciativas de pesquisas. Essas pesquisas devem estar voltadas a ampliar o conhecimento científico do desempenho do “Teste Rápido Molecular para Tuberculose” (TRM-TB) nos diversos aspectos relacionados ao controle da tuberculose no Brasil e mesmo em outros países.

Para ter acesso ao documento com detalhes sobre a elaboração de propostas de pesquisa (Seleção de Propostas de Pesquisa Envolvendo o Teste Rápido Molecular para Tuberculose  no SUS) assim como o “Formulário de submissão no FormSUS” basta clicar no link. Em caso de dúvidas, consultar a equipe do PNCT no endereço de email: tuberculose@saude.gov.br ou pelo telefone (061) 3213 8234.

O PNCT irá receber propostas até o dia 15 de setembro de 2014.

O diagnóstico da tuberculose é uma das principais prioridades do PNCT e a implantação da RTR-TB do Brasil, que já está entre as maiores do mundo, deverá aperfeiçoar em muito a atenção à tuberculose no país.

Uma oportunidade a ser amplamente compartilhada!

Para acessar a lista de Laboratórios da Rede de Teste Rápido para Tuberculose - SUS - Agosto 2014, clique aqui.

Maiores informações, clique aqui.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Itaboraí e Cruz Vermelha juntos contra a tuberculose

Por: Prefeitura de Itaboraí

Itaboraí e Cruz Vermelha vão assinar acordo de cooperação para combater tuberculose

A secretaria municipal de Saúde e a Cruz Vermelha Brasileira, filial Itaboraí, vão assinar, nos próximos dias, um acordo de cooperação técnica para realizar ações educativas no combate à tuberculose e busca de pacientes com sintomas da doença respiratória. A parceria foi lançada na tarde de quarta-feira (06), dia Estadual de Conscientização e Mobilização de Combate à Tuberculose, durante um seminário realizado no Salão Nobre da Prefeitura Municipal.

Participaram da cerimônia representantes do governo local, da secretaria estadual de Saúde, do Grupo Pela Vidda Niterói (organização não-governamental formada por pessoas vivendo com HIV e AIDS), Conselho Municipal de Saúde, Fórum ONGs Tuberculose (que atuam no combate à tuberculose e o vírus HIV/AIDS), Associação de Mulheres e Amigos do Morro do Urubu (AMAMU) - localizado no bairro de Pilares, zona norte do Rio de Janeiro - e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), além de trabalhadores das empresas prestadoras de serviços para o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e dos núcleos de Educação Permanente Educação em Saúde.

De acordo com a coordenadora do programa de Combate à Tuberculose, Maria José Fernandes Pereira, que esteve acompanhada pelas coordenadoras das Unidades Básicas de Saúde, Lúcia Helena Rodrigues, e dos programas de Atenção Básica, Josemar Alves, a parceria terá a duração de um ano e os voluntários serão capacitados para orientar e identificar casos suspeitos dentro das comunidades para encaminhar às Unidades de Saúde da Família.

“Nossa estratégia com este evento era envolver a sociedade civil organizada na luta contra tuberculose. Além de ser uma entidade de reconhecimento internacional, a Cruz Vermelha trabalha com ação humanitária, que é essencial para o desenvolvimento de nosso programa junto aos pacientes. Já estamos mapeando o município para verificar locais com maior incidência da doença e vamos somar esforços para que possamos diminuir os focos de tuberculose em Itaboraí”, afirma, salientando que também convidou o Lions Clube e o Rotary Club para participar do projeto.

A representante da coordenação estadual do Programa de Combate à Tuberculose, fisioterapeuta Cláudia Márcia Noronha, vê com entusiasmo o acordo de cooperação.

“Temos que deixar a população cada vez mais esclarecida e lutar contra o estigma associado à tuberculose. A experiência de Itaboraí poderá servir de modelo para as outras cidades que ainda lutam contra altos índices de mortes,”, afirmou.

Indicadores

De acordo com dados da Vigilância Epidemiológica, em 2013 foram registrados 134 casos de tuberculose em Itaboraí. A taxa de incidência média foi de 58,8 casos por 100 mil habitantes entre os anos de 2002 e 2013. Nos últimos 11 anos, o município apresentou taxas médias de cura de 78,6% e de abandono em 5%. O Ministério da Saúde determina como indicadores desejáveis, taxa de cura acima de 85% e de abandono abaixo de 5%.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a cada ano, 8,8 milhões de pessoas desenvolvem a tuberculose e 1,6 milhão de doentes morrem. E de acordo com a Organização Pan-americana de Saúde, o Brasil melhorou no que diz respeito ao combate à tuberculose, mas ainda é o único país das Américas que está na lista das 22 nações com mais casos da doença no mundo. Dados da entidade indicam ainda que o Rio de Janeiro é o estado brasileiro com mais mortes por tuberculose.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Ministério da Justiça financia projetos de prevenção à violência nos municípios

Por: Ministério da Justiça

Brasília, 6/8/14 – A Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça (Senasp/MJ) irá financiar projetos que trabalhem com medidas referentes à prevenção da violência. Um edital traz as regras de seleção para municípios e consórcios municipais que apresentem projetos e que poderão ser financiados pelo Fundo Nacional de Segurança Pública.

Previsto no Plano Plurianual para o período de 2012 a 2015, o financiamento chega ao valor de R$ 15,8 milhões e estará aberto para cadastramento de propostas no Siconv, Portal de Convênios do Governo Federal, no período de 5/8 a 4/9 de 2014.

Os projetos devem contemplar assuntos como implantação de ações de prevenção à violência contra crianças e adolescentes, população em situação de rua, violência contra o público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros), idoso, pessoa com deficiência, mulheres , ações de prevenção nas escolas, prevenção à violência e enfrentamento ao tráfico de pessoas, fortalecimento de corregedorias e ouvidorias das Guardas Municipais e outras ações de prevenção.

O edital completo estará disponível no endereço 

Beneficiários do “De Braços Abertos” recebem carteiras de trabalho assinadas

Por: Prefeitura de São Paulo

Em nova etapa, 16 beneficiários irão trabalhar em uma empresa de limpeza recebendo R$ 820 por mês. Acompanhamento pelas equipes de saúde e assistência social continua.

O programa “De Braços Abertos” ganhou uma nova etapa nesta terça-feira (5). Após o acompanhamento feito por equipes de saúde e assistência social, 16 beneficiários do programa foram encaminhados à empresa Guima Conseco para prestar serviços em equipamentos públicos municipais. Eles receberão R$ 820 por mês, vale refeição de R$ 9,10 por dia, cesta básica no valor de R$ 81,33 e Vale Transporte. Todos estiveram presentes em uma cerimônia realizada hoje na sede da Prefeitura, região central, para a entrega de suas carteiras assinadas.

Na cerimônia realizada hoje na sede da Prefeitura para entregar as carteiras de trabalho assinadas, o prefeito Fernando Haddad ressaltou o empenho dos beneficiários do programa. “Nós começamos gradualmente a recuperar a capacidade dessas pessoas, a capacidade física, a capacidade espiritual, a capacidade emocional e elas foram se adaptando às regras do programa até este momento. Eu acho, uma pessoa que passou anos, às vezes mais de uma década naquela situação e em seis meses estar empregado, eu acho realmente que é algo notável do programa Braços Abertos. E se esses conseguiram, os outros que mantém a sua fidelidade ao programa podem ver nesses o exemplo o caminho a ser seguido”, afirmou.

Os usuários contratados participam do programa desde o início, e aderiram ao tratamento de saúde e ao acompanhamento feito pela equipe de assistência social. Eles regularizaram seus documentos pessoais e compareceram diariamente à frente de trabalho. Também foram avaliados por uma equipe multidisciplinar e reduziram o consumo de drogas.

A secretária municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Luciana Temer, explicou como foi o processo de escolha. “Nós pedimos que as equipes de saúde de assistência social que acompanham os beneficiários fizessem uma avaliação de 40 pessoas que elas consideravam que estavam prontas para dar um passo. A partir dessa lista de 40 pessoas a gente começou uma dinâmica de conversas e mais do que isso, essas 40 pessoas que foram indicadas passaram por uma avaliação psiquiátrica para ver o quanto de fato elas estariam prontas. Dessa lista da saúde nós ficamos, com tranquilidade, com 18. Dessas 18, nós começamos um processo de conversa e duas delas achavam que não estavam prontas e quiseram esperar um pouco mais”, afirmou. Atualmente, todos os beneficiários fazem tratamento no Centro de Referência Psicossocial Álcool e Drogas (Caps) contra a dependência química.

Os contratados realizaram exames médicos, receberam treinamento, uniforme e bilhete único. Eles começam a trabalhar como auxiliar de limpeza nesta quarta-feira (6) em repartições públicas, como o Centro de Referência de Assistência Social (Cras), o Centro de Referência Especializada em Assistência Social (Creas) e o Centro de Referência Especializada para a População em situação de Rua (Centro Pop). 

O Programa “De Braços Abertos” é voltado a dependentes químicos da região da Nova Luz, e tem o resgate social dos usuários de crack como princípio. Os pilares são trabalho remunerado, alimentação e moradia digna, com a diretriz de intervenção não violenta.

“Foi difícil, foi duro, foi trabalhado e foi com muita força e determinação estarmos aqui hoje, porque na situação que a gente estava nós não tínhamos força para nada”, afirmou o beneficiário Elenildo Cavalcanti, que representou seus companheiros. “O prefeito Fernando Haddad resolveu dar uma força para a gente quando muita gente criticava. Falavam que a gente não tinha futuro, não tinha jeito, não tinha solução, mas ele foi, teve coragem e confiança na gente e resolveu abrir essa oportunidade, por isso que hoje aqui nós estamos”, disse.

“Esse projeto foi muito bom, porque eu morava na rua desde 2007 e com ele eu e minha mulher conseguimos sair daquela vida para darmos um futuro melhor para o meu menino e para a filha dela que eu crio desde os cinco meses”, disse o beneficiário Welton Aquino de Oliveira, 32 anos.

Mesmo com a contratação, os 16 beneficiários continuam recebendo acompanhamento das equipes de Saúde e da Assistência Social e morando nos hotéis até serem transferidos para o programa “Autonomia em foco” (leia mais abaixo).

Os demais beneficiários do programa continuam em acompanhamento por todas as secretarias envolvidas, porém, cada um em um estágio de vida diferente. “Quem conhece o problema da drogadição, especialmente do Crack, sabe o que é em sete meses uma pessoa se declarar apta a assumir um compromisso desse, passar por uma avaliação psiquiátrica e nós chegarmos à conclusão de que realmente essa pessoa está apta. Isso é um esforço sobre-humano para essas pessoas. Eu acho que os grandes vencedores desse processo são essas pessoas. Nós demos simplesmente a estrutura e a sustentação para que eles conseguissem construir uma superação dificílima em uma luta deles com eles mesmos”, destacou a secretária.


Autonomia em foco
O “Autonomia em foco” é um novo programa da Secretaria Municipal de Desenvolvimento de Assistência Social (SMADS) para abrigar pessoas em situação de rua em processo de autonomia. Além disso, a medida irá abrigar os participantes do programa “De Braços Abertos” que conquistaram autonomia e conseguiram emprego com carteira assinada. A ideia é afastá-los da região da Luz, onde há ainda um foco de uso de drogas.

“É um processo de construção de autonomia, mas ainda monitorado pela assistência social”, disse a secretária Luciana Temer.

No total, serão disponibilizadas 300 vagas, divididos em dois imóveis, ambos no centro. Os prédios, um na Liberdade (Rua dos Estudantes, 505) e outro no Bom Retiro (Rua Eduardo Chaves, 180), serão locados pela SMADS e serão administrados por organizações sem fins econômicos. Os editais para o chamamento das instituições interessadas foram publicados no dia 23 de julho e continuam abertos.

O programa Autonomia em Foco prevê o atendimento inicial de seis meses, podendo ser prorrogado a partir da análise da equipe técnica.

Poderão participar do novo programa grupos familiares ou pessoas adultas sozinhas, respeitando o perfil do usuário - pessoas em situação de rua e imersos em processo de autonomia -, bem como sua orientação sexual. O grupo de família ou pessoa adulta sozinha deverá estar preparado para assumir responsabilidades, com relação a sua alimentação, organização do espaço individual e coletivo e gestão de suas próprias economias. Pretende-se, com isso, restaurar e preservar a integridade, a autonomia e o protagonismo desses indivíduos, com vistas ao desligamento da rede de acolhimento socioassistencial.

Para ingressar no projeto, os beneficiários deverão aceitar algumas condições, entre elas, que possam ser responsáveis por tarefas e manutenção dos seus espaços.

Confira aqui os editais de convênio:
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/assistencia_social/99.pdf
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/assistencia_social/100.pdf

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Dia Estadual de Conscientização e Mobilização de Combate à Tuberculose

Amanhã, dia 6 de agosto, o Rio de Janeiro comemora o dia Estadual de Conscientização e Mobilização de Combate à Tuberculose. 
A coordenação do Programa de Controle da Tuberculose de Itaboraí preparou um evento super interessante. Vale a pena conferir!



terça-feira, 29 de julho de 2014

Determinação social da saúde será tema de workshop no RJ


Além do encontro com a sociedade civil que acontecerá no dia 06 de agosto, a Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro também promoverá um Workshop sobre determinantes sociais da saúde, em alusão ao Dia Estadual de Conscientização, Mobilização e Combate à tuberculose no Rio de Janeiro.

O Workshop “Determinantes Sociais da Saúde e da Tuberculose: contexto e importância dos incentivos e benefícios sociais”, promovido pela Gerência de Pneumologia Sanitária da SES/RJ, será realizado no dia 13 de agosto, de 9h às 17 horas.  

O evento tem como objetivo apresentar a discussão dessa temática para os profissionais que atuam nos Programas de Controle da Tuberculose dos municípios do estado Rio de Janeiro e, também, para outros programas e instituições que colaboram para o controle da tuberculose no estado. Veja a programação completa aqui.

A ideia é que por meio deste workshop os representantes municipais possam refletir e apontar estratégias intersetoriais que colaborem para a adesão ao tratamento dos pacientes com tuberculose.
Para participar, acesse a ficha de inscrição aqui e envie preenchida até dia 01/08/2014 para o e-mail tuberculose@saude.rj.gov.br ou por fax (21) 2333-3848, A/C de Geórgia.

Serviço
Workshop “Determinantes Sociais da Saúde e da Tuberculose: contexto e importância dos incentivos e benefícios sociais”
Data: 13 de agosto
Horário: 9h às 17h
Local: Rua México, 128 – 10º. Andar (Auditório), centro da cidade do Rio de Janeiro. 




RJ comemora o dia estadual de luta contra a tuberculose


Em 2007, a Lei 5054 estabeleceu que 06 de agosto seria o Dia Estadual de Conscientização, Mobilização e Combate à tuberculose no Rio de Janeiro. Uma vitória da sociedade civil, dos gestores e dos profissionais de saúde. Uma vitória de toda a comunidade carioca que tem mais um dia no calendário, além do 24 de março, para lembrar que a tuberculose existe, tem cura e precisa ser combatida.

Com uma incidência de 62,3/100.000 habitantes em 2013, o Rio de Janeiro é o segundo estado com a maior taxa de incidência de tuberculose no país. Só em 2013 foram notificados 10.192 casos novos de tuberculose.

A proporção de cura entre os casos novos pulmonares bacilíferos em 2012 foi de 69,9%, enquanto o abandono do tratamento foi de 12,5%. 

Em vista disso, a Secretaria de saúde de estado do RJ realizará na próxima quarta-feira, 06 de agosto, encontro com a sociedade civil para fortalecer as atividades de mobilização e, sobretudo, fomentar o debate sobre os principais avanços e desafios para o controle da tuberculose.

Além da situação epidemiológica, serão apresentados o Plano de enfrentamento TB e HIV do estado; os métodos diagnósticos, em especial o teste rápido para tuberculose e estratégias de prevenção do abandono do tratamento. Confira a programação aqui.

A inscrição é gratuita e deverá ser realizada no dia e no local do evento.

Serviço

Seminário Estadual de Tuberculose: encontro com a sociedade civil
Data: 06 de agosto de 2014
Horário: 9h às 18h
Local: Hotel São Francisco Rua Visconde de Inhaúma 95 Centro Rio de Janeiro - RJ (esquina com Avenida Rio Branco).


terça-feira, 22 de julho de 2014

Desenvolvimento Social realiza atividade sobre tuberculose no abrigo Rio Acolhedor

Por Ecoando


Comunicado SMDS de 21/07/2014 


A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, promove hoje e no próximo dia 6 de agosto, duas rodas de conversa para capacitar funcionários da Unidade de Reinserção Social (URS) Rio Acolhedor sobre os cuidados com a tuberculose. 

As reuniões acontecem a partir das 14h, no auditório do abrigo, localizado em Pacência, na Zona Oeste. As ações têm por objetivo orientar assistentes sociais, educadores e demais profissionais quanto a prevenção e meios de transmissão da tuberculose, análise e direcionamento para especialistas da doença.

Saiba mais aqui.



Brasil vai sediar a Copa dos Refugiados e você pode ajudar!


A Copa do Mundo já passou, mas o Brasil vai sediar outra Copa neste ano, ainda mais colorida e diversa: a Copa dos Refugiados.

Organizada por refugiados que vivem no Brasil, com o apoio do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (ACNUR), da Caritas Arquidiocesana de São Paulo, da ONU Mulheres, do UNAIDS e diversas organizações da sociedade civil, a Copa acontecerá nos dias 2 e 3 de agosto em São Paulo.

Serão dois dias de jogos, das 8h às 17h, com 16 times de países diferentes, entre eles Síria, Mali, República Democrática do Congo e Colômbia. Além disso, ocorrerão atividades culturais paralelas e a divulgação das campanhas da ONU “O Valente não é Violento” (contra a violência de gênero) e “Projeta o Gol” (sobre a prevenção ao HIV/AIDS).

Mesmo com o apoio dado pelas diferentes entidades parceiras, os organizadores da Copa dos Refugiados ainda precisam comprar equipamentos essenciais ao evento. E você pode ajudar, com doações em dinheiro. 

As doações começam a partir de 10 reais e podem ser feitas online, de forma rápida e prática por meio da página http://www.kickante.com.br/campanhas/copa-dos-refugiados-acnurcaritassp.

Doações acima de 20 reais ganharão brindes, podendo chegar a um certificado emitido pelas instituições parceiras e camisetas autografadas pelo time vencedor. 

O Brasil abriga cerca de 5 mil refugiados de 80 nacionalidades distintas (34% são mulheres). O país é signatário dos principais tratados internacionais de direitos humanos - inclusive a Convenção das Nações Unidas de 1951 sobre o Estatuto dos Refugiados e seu Protocolo, de 1967. A lei brasileira de refúgio garante documentos básicos, liberdade de movimento e outros direitos civis.

De forma dinâmica e positiva, a Copa dos Refugiados demonstra a capacidade de organização e realização desta população, quebrando estereótipos e promovendo sua integração no país. Esperamos a sua ajuda para viabilizar este evento. 

Saiba mais sobre a Copa dos Refugiados em sua página no Facebook:



quinta-feira, 17 de julho de 2014

O IX Encontro Nacional de Redução de Danos recebe trabalhos até 15 de agosto

Da ABORDA

Até 15 de agosto, podem ser submetidos trabalhos para o XI Encontro Nacional de Redução de Danos, que acontece em Aracaju (SE) entre os dias 12 e 14 de novembro. Serão recebidos trabalhos inéditos e em formato de pôster sobre experiências, pesquisas e ações de redução de danos aplicadas ao uso de álcool e outras drogas.

A comissão avaliadora escolherá até 30 trabalhos nas seguintes categorias:

1- Relatos de Experiências 
Apresentação de experiências relacionadas a ações de Redução de Danos envolvendo serviços de saúde, assistência ou outros bem como desenvolvidas por Organizações da Sociedade Civil.

2- Articulações e controle social 
Relato de ações desenvolvidas junto a fóruns de discussão e controle social (conselhos, GTs, comitês, comissões e outros) que tenham resultado em avanço na discussão e práticas de Redução de Danos.

3- Formação e educação em RD e AD
Atividades desenvolvidas que busquem ampliar visão, divulgar e produzir conhecimento sobre redução de danos e uso de álcool e outras drogas (cursos, encontros, material informativo, ações de comunicação, grupos de estudo e discussão etc.)

4- RD e Interdisciplinaridade
Apresentação de ações que envolvam Redução de Danos em outras áreas ( Saúde Prisional, Saúde Indígena, Assistência Social, RD e gênero, Política de cultura, renda, trabalho  e redução de danos etc.) Ações de RD voltadas para crianças e adolescentes (articulações intersetoriais com escolas, Conselhos Tutelares, Promotores e Defensores Públicos etc.)

5- Redução de Danos e DST/Aids e Hepatites Virais
Atividades que envolvam a estratégia de Redução de Danos aliada a ações de prevenção as DST. HIV/Aids. Hepatites Virais ou Tuberculose, assistência social e saúde ou outras ações que visem qualidade de vida dos pacientes e ampliação de práticas preventivas e educativas.

Para mais informações e normas gerais para a submissão de trabalhos acesse: 


O resultado da seleção será divulgado até 15 de setembro.



quarta-feira, 16 de julho de 2014

Ministério da Saúde divulga nota abordando a suposta falta de medicamentos para tuberculose

Na última quinta-feira, 10 de julho, o Ministério da Saúde divulgou nota abordando a suposta  falta de medicamentos para tuberculose em São Paulo e outras regiões do país. 

Segundo o coordenador-geral do Programa Nacional de Controle da Tuberculose, Draurio Barreira, não há falta de medicamento de tuberculose no Brasil, eventualmente podem ocorrer problemas pontuais com a logística local da distribuição. E alerta quanto ao compartilhamento de falsas informações em rede:

"É extremamente importante que as denuncias de falta de medicamento apontem local e data para que possamos verificar a veracidade, apurar responsabilidades e adotar as providências necessárias. Apenas afirmar que 'houve registro de falta de medicamentos em São Paulo', sem dizer onde, quando ou por que, é muito vago", disse.

O coordenador destacou ainda a importância do controle social para que as denúncias sejam bem fundadas e não baseadas apenas em informações midiáticas que não correspondam a realidade local.

"Acho fundamental o controle social e as denúncias nos casos de falhas do sistema, mas divulgar em redes sociais a informação de 'falta de medicamentos', sem o mínimo de informações que nos ajudem a resolver o possível problema, é contribuir para dificultar os esforços de adesão ao tratamento realizados pelos profissionais de saúde dos programas locais", finalizou.

O Ministério da Saúde distribuiu medicamentos suficientes para todo o país, durante todo o segundo semestre. Segue, abaixo, a nota oficial do Ministério da Saúde sobre o assunto:


O Ministério da Saúde informa que não há desabastecimento de medicamentos para o tratamento da tuberculose. A compra dos medicamentos de 1ª e 2ª linhas foi efetuada e os estados estão devidamente abastecidos, de acordo com sua necessidade. Vale salientar que o MS distribui os medicamentos aos estados, que por sua vez, os repassam aos municípios que os entregam para suas unidades de saúde.

Ressalte-se que o Ministério da Saúde não distribui insumos próximos do prazo de validade. No caso do repasse de medicamentos para o tratamento de tuberculose, foram distribuídos aos estados, em março, lotes dentro do prazo de validade exatamente para substituir um  lote que estava próximo do prazo de vencimento.

Quanto à falta de teste tuberculínico, informa-se que o problema no abastecimento do Derivado Proteico Purificado (PPD), antígeno para o diagnóstico da tuberculose, ocorre de forma global devido à ausência de matéria-prima para produção do insumo, por problemas na produção do mesmo. O Ministério está em permanente contato com os produtores internacionais visando à resolução do problema.

O Ministério da Saúde tem realizado diversos acordos de transferência de tecnologia para possibilitar a produção nacional de insumos estratégicos, entre eles, os medicamentos para tuberculose.

Até o final do mês de junho/14, o MS enviou aos estados 21.087.360 de comprimidos do medicamento 2 em 1 (rifampicina+isoniazida 150+75mg), quantidade suficiente para atender a demanda do semestre.